quarta-feira, 10 de março de 2010

Medicina no Renascimento

Na era do Renascimento, surgiu novamente o interesse pelas artes e ciências na Europa, o que conduziu a importantes progressos na medicina. Muitos médicos desta época estudaram e colocaram em causa os conhecimentos e descobertas da Antiguidade (Grécia Antiga e Egipto), havendo a divulgação e formulação de informação nova e rigorosa. O Renascimento constituiu uma época de fulcrais descobertas, em que a visão acerca da Medicina mudou completamente. Os médicos passaram a analisar a medicina e os tratamentos medicinais de um modo mais objectivo, não atribuindo tanta importância a causas sobrenaturais, como espíritos malignos e demónios, o que acontecia com os métodos medicinais utilizados anteriormente. Foram realizadas diversas pesquisas, tanto a nível anatómico como a nível cirúrgico, principalmente devido a análise de corpos em campos de batalha. Novos tratamentos foram desenvolvidos em pleno campo de batalha, visto que médicos começaram a fazer medicamentos naturais para ajudar pessoas com ferimentos de guerra. Além disso, os feridos de guerra permitiram aos médicos renascentistas fazer cirurgias e analisar o corpo humano de uma forma mais profunda.





Foi possível a dissecação de cadáveres, amputações, fazer membros artificiais e adoptar curativos à base de plantas medicinais e substâncias naturais. Todos estes tratamentos na época renascentista permitiram um melhor conhecimento da anatomia humana e de alguns processos que regulam o funcionamento do corpo humano, havendo uma nova abordagem da medicina.

1 comentário:

  1. Olá amigos =)

    Parabéns pelo vosso projecto!
    Desejo de muito sucesso.


    Esperamos novidades!

    As colegas de Castro Daire ;)

    ResponderEliminar